sexta-feira, 8 de novembro de 2013

ADEUS INDY



Hoje Estou agastado.
Tive de tomar uma decisão extremamente difícil.
Pôr ponto final a vida do meu cão.
Uma viagem sem regresso.
O nosso amigo de 17 anos, entrou numa fase terminal da sua vida.
A dedicação a tempo inteiro que sempre teve pela minha família, assente numa plena reciprocidade, fez-me cair num impasse, quanto a prática da eutanásia.
Os berros lancinantes de dor, junto a enormes hemorragias, pintaram de sangue este dia.
Derramamos lágrimas de dor e pesar sobre o seu corpo.
Explicitando todo o amor e carino e respeito pelo seu imenso sofrimento.
O meu Cão (INDY) partiu, levou com ele os momentos de tanta alegria que sempre estava desposto a partilhar connosco.
Senti-me na obrigação de não perlongar mais o seu sofrimento.
Foi muito difícil.
Hoje uma injeção, pôs cobro a sua vida.
Adormeceu para sempre.
A casa ficou gelada e mais vazia, perdeu muito do bulício que ele nos obrigava a ter, com as suas corridas e traquinices.
Faltam os seus saltos, o latir, as lambedelas de carinho, que sempre tinha para dar.
Foste até ao fim, fiel, inteligente, e amigo, de uma dedicação inigualável.
Agora Indy, já não te poço mandar para o castigo quando te portavas mal.
Colocava-se de pé, com as patas traseiras no chão, e as dianteiras na parede, como se de uma criança se trata-se.
Já não apanhas as molas da roupa quando caíam, para nos entregar há mão.
Já não nos provocas para uma boa brincadeira.
Agora já não sinto a macieza do teu pêlo.
Deixaste-nos, meu campeão, que até hora da despedida, tinhas um olhar, terno e doce.
Vou ficar por aqui, já que lágrimas atrevidas teimam em fugir.
Já temos saudades tuas meu amigo Indy.
Vais estar sempre bem vivo nas nossas memórias.
Tu não passavas sem nós, mas agora vamos aprender a viver separados, porque a vida não se compadece com a morte.
Estas linhas sofridas, que estou a escrever, tem como intuito desabafar e soltar o nó, que sinto na garganta.
Neste mundo do salve-se quem poder, uma verdadeira selva, faz-me dizer:
Quanto mais conheço o homem, no sentido lato, mais gosto dos animais.
ATÉ SEMPRE INDY.


DIOGO_MAR

12 comentários:

  1. São horas tristes... mas que o tempo e a adopção de um novo amigo ajudam a sarar.
    O teu relato fez-me recordar de um pastor alemão que existia na casa de meus pais, foi o nosso segundo cão, que também adoeceu e tivemos de decidir o mesmo que tu. Na altura eu ainda vivia lá em casa, e nesse dia tive de sair de casa... não suportei assistir ao desenlace.... por isso as memórias que tenho dele são de quando ele era vivo e das brincadeiras (e também mordidelas) de que foi protagonista.

    Muita força!
    Um beijinho solidário

    ResponderEliminar
  2. r: não sabes o bem que me fez ouvir as tuas palavras. estava a precisar disso, obrigada ♥

    ResponderEliminar
  3. Este comentário foi removido por um gestor do blogue.

    ResponderEliminar
  4. É sempre muito complicado termos de dizer adeus a amigos assim. Em inícios de Setembro tive de tmar a mesma decisão com o meu cão, pois surgiu-lhe um tumor galopante e o bichinho estava a sofrer. Fiquei com ele até ao fim, suportei a dor de o ver morrer nos meus braços quando a veterinária lhe deu a injecção. Foi muito difícil vê-lo ali, a respirar e de repente, tombar para o lado....e acabou-se... *e fico por aqui porque estou a começar a chorar*

    Os meus sinceros e sentidos pêsames. Espero que se precisares, saibas que podes contar comigo.

    Um forte abraço.

    ResponderEliminar
  5. Há cães assim, que ganham, pelo afecto que nos dão e que lhes damos, o estatuto de gente. Essa dor há-de passar.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. No evoluir dos dias, ainda está bem viva a saudade que todos temos dele.
      Obrigado.

      Eliminar
  6. é sempre triste perder um animal de estimação, mas, mais que isso, um membro da família. perdi dois gatos este ano, uma com 17 anos e o seu filho, com 16. sei bem o que estás a passar.
    aproveito para agradecer os teus comentários no meu blogue.
    um abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Está a ser muito dificil para toda a familia.
      Obrigado.

      Eliminar
  7. Ohhhhh! :(

    Olha, Diogo, eu sei que não há pessoas (nem animais) substituíveis, ao contrário do que se diz, mas devias ter um novo Indy ainda que com outro nome... Acho que devias fazer isso por ele e por ti...

    Um abraço assim______________

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito obrigado AMIGO DANIEL:
      A cicatriz ainda sangra.
      Toda a família sente muito a sua partida.
      Abraçaço.

      Eliminar